Filmes

sobre chorar rios com o american history x

29/07/2022
american history x

Quando lhe perguntei por que motivo o American History X, em português: América Proibida, era um dos filmes preferidos dele, ele respondeu apenas: vê o filme. Eu, como pessoa interessada em tentar compreendê-lo e conhecê-lo melhor, acedi e pedi apenas que, no final, ele me explicasse porquê. No final, não precisei. No final, chorei tanto e tirei tantas conclusões sobre o filme que não precisava de saber muito mais; só queria conversar sobre o que tinha visto e pedir a toda a gente que visse também. Por isso, três meses depois daquela manhã de 28 de Abril, venho tentar convencer-te a ver este filme que me fez chorar horrores e que levou 10 estrelas no IMDb sem qualquer hesitação.

 

Trigger warnings:

racismo; nazismo; linguagem explícita; violência

 

American History X: a desconstrução da crença

Se tivesse de definir American History X de uma forma simples e directa acho que diria que é um filme sobre aquilo em que acreditamos e sobre como essas crenças podem ser, muitas vezes, desconstruídas ao ponto de nos mostrarem que, afinal, acreditávamos na coisa errada. Isto reflecte-se no filme através da relação entre os irmãos Derek e Danny Vinyard.

Danny tem em Derek o seu grande exemplo e figura paterna, visto que o pai de ambos foi morto a tiro por um negro. Enquanto estudava, Derek estava a abrir a mente ao mundo e o pai incentivou-o a ver o mundo de uma forma mais negativa e, com a morte do pai, o seu exemplo, Derek desenvolve um ódio profundo à comunidade negra e junta-se a um grupo de skinheads. Derek acaba por ser preso por homicídio e a estadia na prisão obriga-o a reavaliar as suas crenças. Quando é libertado, Derek tenta impedir Danny de desenvolver o mesmo ódio que ele próprio sentiu.

 

spoilers ahead

 

A mudança paga-se cara

Life’s too short to be pissed off all the time…

A forma como Derek começa a desconstruir aquilo em que acreditava antes de ser preso é, para mim, um momento profundamente bonito e enriquecedor em todo o filme. Primeiro porque percebemos que ele sempre teve disponibilidade mental para se abrir ao mundo. Depois porque esta abertura surge na prisão, onde ele começa por ser admirado por skinheads mas, depois, torna-se amigo de um negro e isso muda tudo, ao ponto de ele acabar por ser brutalmente agredido graças a isso.

Depois, claro, há o final. O final… bem, nós vamos caminhando para lá e percebemos que algo vai correr muito mal, mas é um final tão brutal, tão doloroso. Chorei durante meia hora, fiquei profundamente afectada por aquilo que vi. Durante todo o dia, não conseguia parar de pensar no que tinha visto. Na forma como o pai fechou por completo as portas do mundo ao Derek quando ele estava a falar sobre o Native Son, o livro do James Baldwin. Em como as nossas crenças podem facilmente ser questionadas e reconstruídas, mas não conseguimos salvar toda a gente.

Em Portugal, o filme está disponível na HBO Max ou através de compra ou aluguer no Youtube. É um filme muitas vezes duro, mas acredita que aquilo que tem de duro também tem de bom.

Título original: American History X
Título em português: América Proibida
Elenco: Edward Norton, Edward Furlong
Realizador: Tony Kaye
Guião: David McKenna
Ano: 1998

    share your theory

    %d bloggers like this: