Séries & TV

Revi Gilmore Girls com a minha mãe

gilmore girls

No início de Março quis começar a ver uma série com a minha mãe e aquela que acabei por escolher foi uma das minhas preferidas: Gilmore Girls. Para mim, foi a terceira vez. Para a minha mãe, foi uma estreia. Ao longo de um mês vimos as sete temporadas originais e a temporada especial que a Netflix produziu em 2016. Apesar de ter feito uma publicação com spoilers sobre a temporada da Netflix, nunca falei muito sobre o resto da série e agora tenho a justificação perfeita para o fazer.

 

O texto que se segue contém spoilers da série Gilmore Girls

 

Gilmore Girls: mães e filhas complicadas

A série foca-se na vida de Lorelai e da filha Rory. Lorelai foi mãe aos 16 anos e decidiu sair de casa dos pais para tentar uma vida independente na vila de Stars Hollow. Quando a série começa Lorelai tem 32 anos e a filha 16. As temporadas originais acompanham Rory nos últimos três anos de escola secundária e nos quatro anos de universidade. Curiosamente, na temporada A Year in the Life, da Netflix, a Rory tem a idade que Lorelai tinha no início da história.

A família é o tema central da série, não só na relação da Lolerai com a Rory mas também na relação de ambas com os pais da Lorelai, Emily e Richard. Apesar de ser mais notável na temporada da Netflix, acho que Gilmore Girls não é só sobre a Lorelai e a Rory, mas também sobre a Emily. As três Gilmore Girls.

Depois, claro que há outros enredos. A vida amorosa da Lorelai e da Rory tem um papel importante, assim como a vida profissional, as amizades e as relações com a comunidade de Stars Hollow. As quatro primeiras temporadas são as melhores, na quinta algumas coisas começam a descambar e as duas últimas têm alguns problemas que me irritam. A temporada da Netflix é boa, mas deixa uma pergunta importante no final. No geral, é uma série boa e é a série que toda a gente precisa de ver com as mães.

E as Costa Lima Girls?

Quando vi a série pela primeira vez não sabia se ia ver muito mais além da primeira temporada. Os primeiros episódios não estavam a ser espectaculares e a Rory estava longe de ser a minha personagem preferida. O motivo pelo qual a série ganhou espaço na minha vida foi um muito comum: identifiquei-me com a história.

Muitas vezes é isso que nos prende a uma história e, neste caso, o facto de ver uma série sobre uma mãe solteira que se esforça para que a filha tenha todas as oportunidades de futuro foi o que bastou. A Lorelai podia ser a minha mãe. Acho que foi por isso que sempre quis ver a série com a minha mãe.

Ainda assim, nada mais na vida da Lorelai e da Rory se assemelha à minha vida e da minha mãe. Para começar, não tenho avós ricos que me pagaram propinas caríssimas e me deram um carro, não me dou sequer com o meu pai, mas tanto quanto sei ele também não fica podre de rico. Mas a essência está lá. Aquela relação de mãe e filha das Gilmore tem a essência da relação mãe e filha das Costa Lima.

O bom e o mau da série (com spoilers)

A melhor personagem: Kirk! Mas há dúvidas? É engraçado, é peculiar e é obviamente freelancer, visto que em todos os episódios tem um trabalho diferente.

A melhor evolução: O Jess começa por ser uma personagem quase irritante de tão imaturo que é e acaba a ser uma das personagens mais maduras e interessantes. No mesmo sentido, o Logan também parece ter uma evolução positiva, começando também por ser mais imaturo e depois revela-se o melhor namorado da Rory.

A cena mais bonita: As mil margaridas amarelas com que a Lorelai é recebida no trabalho. É uma cena incontornável, mesmo que depois ela não case com o Max.

A personagem com melhores frases: A Lorelai, obviamente.

A cena mais estapafúrdia: Toda as atitudes do Luke quando sabe que tem uma filha. Já o facto de ter uma filha não encaixa totalmente, mas as atitudes dele depois são piores. Quer dizer, ele é apaixonado pela Lor há anos e depois já não quer casar?

A melhor relação: Emily e Richard. Têm muitos defeitos, mas aquelas décadas de casamento provam que são a melhor relação.

A pior relação: Lorelai e Christopher. Não tenho paciência para eles.

O enredo mais desnecessário: O casamento da Lorelai e do Christopher. Ugh.

A personagem que merecia mais: A Lane. Não é que ter filhos seja mau, mas queria que ela e os Hep Alien tivessem um bocadinho mais de êxito.

O pior namorado: O Dean! O Jared Padalecki que me perdoe, mas o Dean começa por ser muito fofinho para depois se mostrar extremamente ciumento, controlador e irritante. A quantidade de vezes que a Rory lhe pergunta se ficou chateado com alguma coisa é assustadora.

A pior evolução de personagem: Que é como quem diz, a pior escrita de personagem… a Rory. Está tudo muito bem até que a Rory dorme com o Dean… enquanto ele é casado. Não. Só não. Depois quando ela deixa que o Mitchum interfira nos seus objectivos e decide deixar Yale? Aquela não é a Rory. Por muito que tenha uma crise dos 20 e poucos, aquilo não tem qualquer relação com a Rory.

O momento preferidoYou jump, I jump. Acho que me apaixonei pelo Logan naquele momento.

Título original: Gilmore Girls
Título em português: Tal Mãe, Tal Filha
Elenco: Lauren Graham, Alexis Bledel, Scott Patterson, Kelly Bishop, Edward Herrmann
Criador: Amy Sherman-Palladino
Anos: 2000 – 2007 // 2016

1 Comentário

  • Reply
    Andreia Morais
    14/05/2020 at 16:11

    Nunca vi a série, mas acho tão especial quando, por algum motivo, nos conseguimos identificar com a história. Sinto que nos ajuda a ter a noção de que nunca estamos sozinhos.
    Adorei a ideia de fazeres esta lista entre o melhor e o pior!

share your theory

%d bloggers like this: