Linkin Park Saúde

Três.

linkin park

Passei os últimos dias a escrever e apagar palavras nesta publicação. Quero escrevê-la, mas, ao mesmo tempo, não me sinto capaz de dizer tudo o que quero. Ainda há dias em que, por um ou dois segundos, me esqueço de que o Chester morreu. Às vezes ainda custa ouvir algumas músicas… ou todas.

No dia em que faz três anos que perdemos o Chester, gastei muito tempo a pensar sobre o que queria e sobre o que devia publicar hoje. A verdade é que não sabia quais as palavras certas para hoje. Então lembrei-me daquela consulta de psicoterapia em que falei sobre o Chester e sobre o livro que escrevi porque queria ter uma história sobre um tema maior: a saúde mental.

Eu não acordei para a saúde mental há três anos. Infelizmente, aos 11 anos já sabia mais sobre saúde mental do que muitas crianças da mesma idade. O que aconteceu há três anos foi o despertar da mentalidade de que é preciso fazer mais. Falar mais. Pesquisar mais. Informar mais.

Estou há três anos a tentar fazer algo que honre o compromisso com #MakeChesterProud. Falo abertamente sobre fazer psicoterapia, leio muito para aprender mais sobre saúde mental, tento trazer o tema para as minhas plataformas de forma ponderada e, ainda assim, sinto que não é suficiente. Em Agosto haverá mais.

A morte do Chester não me acordou para a saúde mental, mas deu-me o abanão necessário para olhar mais para a minha própria saúde mental e para aprender a lidar com ela, seja a procurar ajuda profissional seja a virar costas e sair de ambientes ou de relações altamente tóxicas. O que este abanão provocou foi a vontade imensa de ver cada vez menos pessoas com medo de falar de depressão, de transtorno bipolar, de toda uma série de doenças mentais. É a crença de que só é preciso mobilizar uma pessoa e fazê-la perceber. É a certeza de que havemos de conseguir mais.

Há três anos um tweet do TMZ despedaçou-me o coração. Ainda não sei onde estão todos os bocadinhos partidos. Ainda dói quando me lembro de que nunca mais vamos ter o privilégio de ter o Chester neste planeta, mas custa-me menos quando me lembro de que, pelo menos, o tivemos cá. Nem sempre as lutas terminam em vitórias, mas será sempre uma vitória quando conseguirmos falar responsavelmente sobre saúde mental.

2 Comentários

  • Reply
    Andreia Morais
    20/07/2020 at 19:27

    Mesmo que nem sempre seja o conforto que procuramos, a verdade é que continuará perto, enquanto as memórias o tiverem presentes; enquanto a sua arte for uma constante na nossa vida.
    A saúde mental tem que ser prioritária e isso nunca será de mais reforça! Continua com o excelente trabalho que tens feito até aqui, porque estás a passar-nos a mensagem certa <3

    • Reply
      Sofia Costa Lima
      20/07/2020 at 19:33

      Oh, fico tão contente por ler isto! Sinto sempre que não estou a fazer o suficiente e que se calhar não consigo passar a mensagem que quero e saber que há quem sinta o contrário faz-me sentir que, afinal, alguma coisa há-de estar correcta. 💙

share your theory

%d bloggers like this: